CONTATO

Entre em contato pelo telefone
(11) 3093-7333, de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h; pelo e-mail atendimento@soudapaz.org, ou envie uma mensagem por meio do formulário a seguir:


Assessoria de Imprensa

Izabelle Mundim e Rayane Figueiredo
imprensa@soudapaz.org


Desejo receber as newsletters do Instituto Sou da Paz.

NOTÍCIAS

NOTA PÚBLICA: Ameaças a parlamentares por grupos armamentistas favoráveis ao PL 3723/2019 são inaceitáveis

14 de março de 2022 às 03:22

As organizações subscritas abaixo repudiam os ataques e ameaças feitas a senadoras e senadores por parte de defensores da flexibilização do acesso a armas e munições previsto  pelo PL 3723/2019.

Estes parlamentares, que se opunham a uma discussão apressada e irresponsável do PL na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal, simplesmente agiram com a diligência e o cuidado que esperamos de qualquer representante da população brasileira. 

Esse projeto, apresentado pela Presidência da República em 2019, é uma tentativa de tornar legal seus quase 40 atos normativos que desmontam completamente a política de controle de armas e munições do país.

Sob a justificativa de conceder “segurança jurídica” aos CACs, sigla que reúne atiradores desportivos, caçadores e colecionadores de armas, o PL já aprovado na Câmara assenta em lei o acesso a armas e munições que nada têm a ver com a prática desportiva ou o colecionismo, como costumam afirmar. Tanto é assim que as medalhas olímpicas recebidas por esportistas brasileiros do tiro nunca tiveram nenhuma relação com o acesso a fuzis AR-15 ou AK, mas sim a outros equipamentos e armas próprias desta prática esportiva.

O relatório do senador Marcos Do Val (PODEMOS-ES) acatou dezenas de emendas que destroem a política nacional de controle de armas e munições hoje instituída, autorizando o porte de armas a diversas categorias que em nada tem a ver com qualquer prática desportiva, de lazer ou colecionismo, tendo como único resultado a ampliação da circulação de armas num país que, em 2021, somou mais mortos pela violência do que foi contabilizado em três anos na guerra da Síria.

Que o debate seja feito na Casa do Povo por parlamentares eleitos, não há o que contestar. Mas que aqueles ou aquelas parlamentares que denunciam os verdadeiros interesses dos que promovem esta proposta sejam atacados pelo livre exercício de seus mandatos, justamente por pessoas que defendem o acesso a armas de alto potencial lesivo, é inaceitável.

Já vivemos em tempos duros, onde a violência, a inflação e o desemprego agridem muito mais aos brasileiros e às brasileiras do que sequer se cogitava. Esperamos que o Senado Federal, e sua Comissão de Constituição e Justiça, reiterem seu compromisso com a democracia, com o interesse público e com o direito à segurança de seus próprios parlamentares e de todas e todos nós.

Aos 15 senadores da CCJ que votaram pela continuação do debate, manifestamos nosso respeito e solidariedade. Já há muita violência no país para que aceitemos que a política seja dominada por armas e aqueles que as defendem.

Manifestamos aqui nosso repúdio às inadmissíveis agressões sofridas por esses e essas parlamentares e exigimos que todas as providências legais sejam tomadas.

 Assinam:

Conectas Direitos Humanos

Fórum Brasileiro de Segurança Pública

Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal 

GESTOS– Soropositividade, Comunicação e Gênero
IDEAS – Assessoria Popular

Instituto Alana

Instituto Igarapé

Instituto Sou da Paz

Rede Justiça Criminal

Coalizão pela Socioeducação

Transparência Brasil

Aliança Nacional Lgbti+

Associação Brasileira de Famílias homotransAfetivas

Grupo Dignidade

Cidade Escola Aprendiz 

Instituto Arueras

Justiça Global

Kurytiba Metropole

TETO Brasil

Instituto Hori – Educação e Cultura

QUER FAZER PARTE?

APOIE O SOU DA PAZ

A Paz na Prática acontece com você.

#SouDaPaz

Participe das nossas redes sociais