CONTATO

Entre em contato pelo telefone
(11) 3093-7333, de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h; pelo e-mail atendimento@soudapaz.org, ou envie uma mensagem por meio do formulário a seguir:


Assessoria de Imprensa

Izabelle Mundim e Rayane Figueiredo
imprensa@soudapaz.org


Desejo receber as newsletters do Instituto Sou da Paz.

NOTÍCIAS

G1 | Especialistas em segurança pública criticam plano para reduzir letalidade policial do governo do RJ

24 de março de 2022 às 11:20

Por Bette Lucchese (leia matéria original publicada pelo G1)

Publicação, feita na terça-feira (22) e que cumpre exigência STF, foi classificada como uma carta de intenções e criticada por ser elaborada sem a participação da sociedade civil

Especialistas em segurança pública e líderes comunitários comentaram e criticaram o plano de redução da letalidade policial publicado pelo governo do estado na terça-feira (22).

O documento lista uma série de ações para obter esse efeito como o uso de câmeras no uniforme de policiais, realização de operações em horários de menor movimento, e foi uma exigência do Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar diminuir o número de mortes durante operações policiais.

“Preocupa bastante o fato de ser uma carta de intenções. São propostas significativas, mas não há nenhum comprometimento com metas ou prazos. É um conjunto muito grande de propostas, mas a gente sabe que menos é mais, ter menos ações e para elas serem mais focadas. Um ponto positivo é que ele obriga que a letalidade policial volte a ser um indicador monitorado pelo sistema integrado de metas. Mas a comissão criada para monitorar o plano, não prevê a participação da sociedade civil”, disse Carolina Ricardo, do Instituto Sou da Paz.

A diretora da plataforma Fogo Cruzado, Cecília Olliveira, lembrou ainda que o plano não determina prazos, nomes e deixa o Ministério Público de fora da fiscalização.

“A determinação do Supremo previa medidas objetivas, cronogramas, previsão de recurso, e isso não foi cumprido. As pedidas não são objetivas, o cronograma não tem prazo fixado para, por exemplo, a comissão dizer quais são os indicadores que vão nortear as análises. A mesma comissão não ter participação de um membro do Ministério Público, que tem, entre suas funções, a de fiscalizar a atividade policial”, disse Cecilia.

O STF tinha dado 90 dias, a partir do início de fevereiro, para o governo do estado criar o plano. O documento foi elaborado com base em três eixos:

Recursos Humanos

  • Prevê que os policiais tenham capacitação continuada e recurso para compreender quando é realmente necessário o uso da força;
  • Cursos e palestras que busquem o desenvolvimento da consciência sobre direitos humanos;
  • Acompanhamento psicológico;
  • Desenvolvimento de habilidades socioemocionais, que melhorem o controle emocional dos policiais para situações de abordagens e até em confrontos.

Recursos materiais

  • Utilização de equipamentos de inteligência, como softwares de interceptação de dados para produzir informações mais precisas e que sirvam de subsídios aos planejamentos operacionais;
  • Utilização de drones e câmeras de imagem térmica para identificar possíveis locais de materiais ilícitos e pontos de encontros de criminosos;
  • Utilização de câmeras portáteis de uso individual durante operações policiais, tanto nos uniformes dos agentes como nos veículos de uso especial.

Procedimentos administrativos e operacionais

  • Determina que bases operacionais não poderão ser instaladas em prédios públicos, nem em locais de serviços essenciais, como escolas e postos de saúde;
  • Orienta sobre planejar operações para horários de menor movimento. Evitando principalmente a entrada e saída de alunos nos turnos escolares.
  • Helicópteros não foram descartados durante as operações, mas preferencialmente, devem ser usados como instrumento de observação para a produção de dados que minimizem os riscos das operações policiais.

O plano de redução de letalidade policial não deixa claro se todos os equipamentos já foram comprados, nem quando eles vão começar a ser usados nos treinamentos e nas operações.

O governo do estado não informou a previsão de gastos, como exigiu a decisão do STF. O decreto se restringe a dizer que as polícias civil e militar deverão buscar as melhorias, dentro das realidades orçamentárias de cada instituição.

RJ2 solicitou depoimentos de representantes da Polícia Militar, da Polícia Civil e do governo do estado, sobre a divulgação do plano, mas o Palácio Guanabara preferiu enviar uma nota.

O governo estadual disse que se antecipou à decisão do STF e implementou as contratações de câmeras portáteis e drones, antes do prazo estabelecido.https://423af7bfa2e7a3032457bb6c3c7fbef7.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Disse também que as metas para as polícias civil e militar serão estabelecidas semestralmente, a exemplo do que já ocorre com o sistema integrado de metas. O governo não comentou as críticas apontadas pelos especialistas.

Supremo Tribunal Federal informou que ainda não recebeu do Governo do Rio, o plano estadual de redução de letalidade policial.

QUER FAZER PARTE?

APOIE O SOU DA PAZ

A Paz na Prática acontece com você.

#SouDaPaz

Participe das nossas redes sociais