CONTATO

Entre em contato pelo telefone
(11) 3093-7333, de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h; pelo
e-mail atendimento@soudapaz.org, ou envie uma mensagem por meio do formulário a seguir:


Assessoria de Imprensa

Izabelle Mundim
izabelle@soudapaz.org


Desejo receber as newsletters do Instituto Sou da Paz.

MATÉRIAS

PM do tipo exportação ganha mais um prêmioBase da Praça Rotary, que tem reconhecimento internacional, vence prêmio de Polícia Ci

Matéria publicada pelo Diário de S. Paulo, no dia 6 de maio de 2013.

PLÍNIO DELPHINO
pliniod@diariosp.com.br

“A nossa prioridade é a nossa comunidade. Aqui, crianças e idosos vêm em primeiro lugar”, diz o sargento Wilson Jorge dos Santos, de 37 anos. Ele coordena o programa de polícia comunitária na base da Praça Rotary, localizada em Santa Cecília, no Centro de São Paulo, há sete anos. A equipe formada por 15 policiais militares (metade dela com formação de nível superior) venceu, no mês passado, a quinta edição do Prêmio de Polícia Cidadã do Instituto Sou da Paz e ganhou R$ 20 mil.

É a segunda vez que a base Rotary ganha a premiação, criada em 2003 para incentivar e reconhecer as boas práticas policiais. “Muitos conhecem a polícia que não se quer. Queremos mostrar a polícia que dá certo”, disse a diretora do Instituto Sou da Paz, Melina Risso.

Nas 18 ruas que perfazem dois quilômetros quadrados e onde habitam 20 mil moradores, os policiais identificaram sua comunidade, com muitos idosos, crianças e enfermos — na área está instalada a Santa Casa de Misericórdia, que recebe entre 18 mil e 20 mil pessoas ao dia, segundo o sargento. “Aqui aplicamos cerca de mil multas ao mês, em média. São os que desrespeitam vagas para deficientes e idosos”, explica.

A base já recebeu policiais de outros países da América Latina para ensinar a atuação da polícia comunitária e tem parceria com a polícia japonesa.

Futebol/ O programa da base inclui atividades com futebol envolvendo 25 meninos de 10 a 16 anos. “Muitos não têm pais ou têm problemas familiares. Nós os abraçamos pensando no futuro. O problema não está no ladrão de hoje e sim em como tratamos as crianças de hoje.”

O designer gráfico José Carlos Luiz, de 70 anos, disse que a base tornou o bairro um melhor lugar para se viver. “A praça era tomada por prostituição, furtos e vandalismo. Hoje, as crianças brincam, fazem esporte e vão à biblioteca. Ainda se furta, mas é bem menos.” Pela manhã, os policias militares visitam as casas e colhem informações.

Alunos do Barro Branco fazem pesquisa criminal para agir

O Grêmio de Policiamento Inteligente em Análise Criminal, da Academia do Barro Branco, foi o segundo colocado no prêmio. Formado em 2012 por 20 alunos oficiais, o grêmio detectou a necessidade de entender a realidade dos locais para onde os alunos eram designados a ir para apoiar o policiamento.

“Começaram, então, a receber treinamento para utilização do banco de dados da polícia e iniciaram trabalho de pesquisa de perfis”, explicou o tenente Rodrigo Garcia Vilardi, oficial do Departamento de Ensino e Pesquisa.

“Essa ação foi premiada pela preocupação na boa formação e aperfeiçoamento de práticas para melhorar a qualidade”, disse Melina Risso, do Sou da Paz.

O aluno Alex Sandro da Silva Gomes, de 31 anos, disse que, pesquisando a área da Consolação, percebeu alto índice de tráfico e furtos envolvendo menores.

“A dificuldade local era envolver outros atores que não (fossem a) polícia.”

QUER FAZER PARTE?

APOIE O SOU DA PAZ

A Paz na Prática acontece com você.

#SouDaPaz

Participe das nossas redes sociais