CONTATO

Entre em contato pelo telefone
(11) 3093-7333, de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h; pelo
e-mail atendimento@soudapaz.org, ou envie uma mensagem por meio do formulário a seguir:


Assessoria de Imprensa

Izabelle Mundim
izabelle@soudapaz.org


Desejo receber as newsletters do Instituto Sou da Paz.

MATÉRIAS

Homicídios têm a 7ª alta seguida em SP

Clique aqui para ler a reportagem completa publicada no jornal Folha de S. Paulo em 26 de março de 2013.

Na Grande São Paulo, aumento foi de 32%; Alckmin diz que houve queda em relação a janeiro e dezembro
ANDRÉ MONTEIRO
DE SÃO PAULO

O Estado de São Paulo teve a sétima alta seguida nos casos de homicídio doloso (intencional), o que configura a sequência mais longa registrada nos últimos três anos.

Segundo dados divulgados ontem pela Secretaria de Estado da Segurança Pública, o índice subiu 13% em fevereiro. Os casos passaram de 328 para 371, com 391 vítimas.

Um mesmo registro pode ter mais de uma morte, como no caso de chacinas, por isso, o total de vítimas é maior.

O aumento foi puxado novamente pelos 38 municípios que compõem a Grande São Paulo (fora a capital). A região, que já havia sido pivô da alta em janeiro, teve alta de 32% -76 casos para 100.

De acordo com especialistas, a forte presença do crime organizado na região e o fato de algumas cidades ficarem na divisa com áreas mais violentas da capital podem ter contribuído para o aumento.

Na cidade de São Paulo, houve alta de 14% nos homicídios (de 78 casos para 89) e, no interior, de 5% (de 174 ocorrências para 182).

Para Luciana Guimarães, diretora do Instituto Sou da Paz, as altas ainda são reflexo das políticas adotadas na gestão do ex-secretário Antônio Ferreira Pinto, que ela classificou de “retrocesso”.

Ele deixou o cargo após uma onda de violência no final de 2012 e foi substituído por Fernando Grella.

“Quando há retrocesso, ficamos sentindo muito tempo. O aumento [dos assassinatos] persiste, mas está mudando a proporção. É importante não mudar esse novo caminho, de ênfase na investigação, na polícia que age em cima dos problemas.”

Para José dos Reis Santos Filho, que coordena o núcleo de estudos de violência na Unesp de Araraquara, ainda falta ao governo promover a participação de universidades e ONGs em questões relacionadas à criminalidade.

OUTROS CRIMES

Também houve alta no Estado de homicídios (29%) e de lesão corporal (33%) culposos -não intencionais. Os casos de roubo a banco caíram 29% -de 21 para 15.

Na capital, apesar de o roubo de veículos ter caído 1,3%, a região da Freguesia do Ó (zona norte) viu o número de casos triplicar -21 para 69.

Segundo o delegado Nicola Romanini, responsável pela área, o motivo é uma onda de roubo de motocicletas.

Para o governo, as estatísticas mostram que há uma tendência de queda na criminalidade, já que os números estão caindo na comparação com os meses antecedentes.

“Em janeiro, os indicadores foram menores que os de dezembro e, em fevereiro, que os de janeiro. Isso indica que temos que perseverar nesse trabalho”, disse o governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Porém, a forma mais indicada para analisar dados de violência -adotada pelo manual da própria secretaria- é comparar dados de um mês com os do mesmo mês do ano anterior, minimizando a influência de questões sazonais, como as férias.

Apesar das altas seguidas, São Paulo tinha em 2011 (último ano com dados nacionais) uma taxa de homicídios de 10,1 a cada 100 mil habitantes, a menor do país.

ENTREVISTA
Secretário planeja divulgar dados diários de violência

Para o secretário estadual da Segurança Pública Fernando Grella, que assumiu o cargo em novembro, a sequência de aumentos nos homicídios pode ser explicada pelos baixos índices do início de 2012.

Ele estuda uma nova ferramenta de divulgação diária das estatísticas para que a população exerça uma “pressão legítima”.

A que o senhor atribui as altas sucessivas?
Fernando Grella – Os índices do primeiro semestre de 2012 foram muito reduzidos, e nós experimentamos aquela fase atípica de violência, que elevou os homicídios e outros crimes. Então é natural que para reduzir isso precise de um tempo. Mas nós temos dados animadores, que indicam uma tendência de redução.

Os índices vão cair?
Todo o esforço que estamos fazendo vai surtir efeito ao longo do tempo, não há medidas mágicas de efeito abrupto. O que há de positivo é que começa a ser sinalizada uma tendência de queda. Mas é cedo também para falar, nós precisamos de mais tempo para saber.

Que medidas estão sendo adotadas para mudar isso?
Uma delas começamos agora, e seus efeitos serão sentidos daqui a um mês, que são as reuniões com os comandantes das polícias Civil e Militar das diversas regiões do Estado para apresentarmos os indicadores e os pontos críticos. Eles têm que fazer uma leitura das ocorrências, porque estão acontecendo e executar um plano.

O que pode ser feito na área de tecnologia?
Hoje temos o Infocrim [banco de dados], mas falta um sistema que, acontecendo o segundo crime no mesmo local, sinalize. A sociedade tem que saber onde está ocorrendo a maioria dos crimes para exercer pressão legítima. Hoje nós divulgamos os dados mês a mês, quem sabe com um sistema desses a gente não pode ter divulgação diária. Isso deve demorar pelo menos um ano.

QUER FAZER PARTE?

APOIE O SOU DA PAZ

A Paz na Prática acontece com você.

#SouDaPaz

Participe das nossas redes sociais