Voltar

Pedestre foi o principal alvo de criminosos em SP no mês de janeiro

Entrevista veiculada no Jornal Hoje em 04 de março de 2015.

Documentos, cartões de banco e celular foram os objetos mais levados. Pedestres que já foram roubados redobram os cuidados.

O pedestre foi o principal alvo dos criminosos no estado de São Paulo no mês de janeiro. Os documentos, cartões de banco e celular foram os objetos mais levados pelos bandidos.

Às vezes basta um momento de distração. “Já roubaram minha carteira. Quando fui ver assim, acho que caiu, quando fui ver já não estava mais. Muito rápido”, fala o estudante Caio Singilo.

Ficar parado em local perigoso pode transformar qualquer um em vítima. Com o médico João Batista de Castro aconteceu duas vezes.

“O cara viu meu relógio, pôs o revólver, me dá o relógio. Dei o relógio, ele queria o celular, e o medo. Horrível. E fui sequestrado também”, diz o médico João Batista de Castro.

Aglomerações podem ser o ambiente perfeito. “Aí uma turma de homens, antes de fechar a porta, eles entraram no metrô, roubaram todo mundo e quando apitou eles saíram juntos, todo mundo perdeu relógio, carteira”, diz o representante comercial Alysin Borsi Feher.

E os celulares que tanta gente usa fiel e distraidamente. São cobiçados pelos ladrões.

“O cara me abordou perto de casa, e falou que tinha acabado de sair da prisão, e não tinha nada a perder e queria só o celular. Desespero, você não sabe o que fazer”, conta o estudante Weslei Santos Araújo.

A experiência ruim que tanta gente relata está nas estatísticas. Análise das ocorrências feitas em delegacias mostra que os pedestres são as principais vítimas de roubos no estado de São Paulo.

Em janeiro, o pedestre foi a vítima em mais da metade dos roubos (50,43%). Os documentos e os cartões de banco foram os objetos mais levados pelos ladrões (49,26%). Eles também roubaram celular (16,79%) e dinheiro (10,55%) das vítimas.

Para Lígia Rechemberg, do Instituto Sou da Paz, é preciso ouvir mais e melhor as vítimas nas delegacias para atuar com eficiência contra esses crimes que atormentam muito e são pouco investigados.

“Os crimes de roubos tem um percentual de investigação muito baixo, na cidade de São Paulo não chega a 4%. Reduzir esses índices é muito importante porque o crime de roubo ele é um crime muito democrático, não escolhe faixa etária, classe social, bairro, hoje todo mundo está numa situação de maior vulnerabilidade”, afirma Lígia.

Enquanto sonham com menos violência quem já ou não quer ser vítima se enche de cuidados, como segurar a bolsa na frente do corpo e manter o celular no bolso.

A Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo informou que todos os Boletins de Ocorrências são investigados. Ainda segundo a secretaria, o número de roubos e furtos, incluindo os de veículos, caiu 11,5% em janeiro deste ano em relação a janeiro do ano passado.

Clique na imagem para assistir a matéria:

ligia