CONTATO

Entre em contato pelo telefone
(11) 3093-7333, de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h; pelo
e-mail atendimento@soudapaz.org, ou envie uma mensagem por meio do formulário a seguir:


Assessoria de Imprensa

Izabelle Mundim
izabelle@soudapaz.org


Desejo receber as newsletters do Instituto Sou da Paz.

NOTÍCIAS

Sou da Paz acompanhou em Viena pré-lançamento de estudo sobre tráfico internacional de armas

21 de outubro de 2014 às 04:07

No dia 8 de outubro, o Instituto Sou da Paz participou da 7ª reunião de Estados Parte da Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional na sede da ONU em Viena. Vários países da América Latina (como Venezuela, Equador, República Dominicana, Costa Rica, e Trinidad e Tobago) apresentaram seus esforços nas discussões oficiais sobre o protocolo acerca do tráfico internacional de armas (“Firearms Protocol”). O Brasil, no entanto, não se manifestou. 

Em contrapartida, o país foi um dos protagonistas no evento que marcou o pré-lançamento de um estudo sobre o tráfico internacional de armas do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC). O “Global Firearms Trafficking Study”, a ser lançado oficialmente até o final do mês, procura entender a dimensão, dinâmicas, atores e modus operandi do tráfico internacional de armas no período entre 2010 e 2013.

O Brasil foi um dos mais de 50 países que enviaram dados oficiais para embasar o estudo, aparecendo com destaque entre os países com o maior número absoluto de armas apreendidas, além de ser um dos principais países de origem das armas apreendidas. No total, mais de 650 mil armas apreendidas ao redor do mundo constituíram o universo da pesquisa do UNODC.

Segundo o analista sênior do Sou da Paz, Daniel Mack, que esteve presente em Viena, o estudo global pode representar importante ganho no conhecimento sobre o tema. “Apesar de não ser realmente global – pois muitos governos não enviaram dados – o estudo ajudará a elucidar alguns aspectos do tráfico internacional, que por definição ocorre na penumbra da ilegalidade. Dentre as conclusões apresentadas, percebemos vários pontos que confirmam análises do Sou da Paz sobre o tema: há enorme falta de dados que possam pautar políticas públicas, pois esforços para rastrear armas apreendidas, que deveriam ser a norma, raramente são feitos”.

Para mais informações sobre o estudo (em inglês): 

https://www.unodc.org/unodc/en/firearms-protocol/global-firearms-trafficking-study.html

QUER FAZER PARTE?

APOIE O SOU DA PAZ

A Paz na Prática acontece com você.

#SouDaPaz

Participe das nossas redes sociais