CONTATO

Entre em contato pelo telefone
(11) 3093-7333, de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h; pelo
e-mail atendimento@soudapaz.org, ou envie uma mensagem por meio do formulário a seguir:


Assessoria de Imprensa

Izabelle Mundim
izabelle@soudapaz.org


Desejo receber as newsletters do Instituto Sou da Paz.

NOTÍCIAS

Profissionais que atuam no sistema socioeducativo da Brasilândia conhecem metodologia de trabalho do CASE

27 de julho de 2017 às 06:00

No dia 27 de julho, a área de Prevenção da Violência do Instituto Sou da Paz promoveu visita ao CASE – Centro de Atendimento Socioeducativo, reconhecida como boa prática na execução em medidas socioeducativas

A ação foi organizada pelos dois projetos da área – Adolescentes em alta vulnerabilidade: Novas tecnologias para antigos dilemas e Fortalecendo a Prestação de Serviços à Comunidade –, e teve como objetivo promover o conhecimento da metodologia utilizada pelo CASE, além da troca de experiências entre os diferentes profissionais no atendimento às medidas socioeducativas em meio aberto (Liberdade assistida e Prestação de serviços à comunidade).

Participaram da visita os profissionais que atuam diretamente com adolescentes e jovens atendidos nos três Serviços de Medida Socioeducativa em Meio Aberto (SMSE-MA) da Brasilândia, além da supervisora do Centro de Referência Especializado da Assistência Social Freguesia do Ó (CREAS).

A visita possibilitou conhecer os trabalhos desenvolvidos pela Fundação Criança. Maria Lucia de Lucena, coordenadora do CASE, apresentou os princípios que sustentam o trabalho socioeducativo com adolescentes em conflito com a lei, reforçando que “compreender a visão que temos sobre o adolescente, a importância de sua acolhida, a pedagogia do vínculo e a escolha metodológica pelo atendimento em grupo é mais importante do que entender como desenvolvemos o dia a dia”, dizendo ainda o quanto a formação continuada e a supervisão institucional são essenciais para o bom desenvolvimento do trabalho.

Outra importante troca proporcionada pelo encontro foi compreender como o programa socioeducativo mantém relação próxima e articulada com o Sistema de Justiça, realizando reuniões sistemáticas com a Juíza, Defensores Públicos e Promotores.

Agnaldo, educador do CASE, reforça que “o fazer do educador é um fazer político e deve possibilitar a reflexão do adolescente sobre o contexto que vive. A proposta é de troca de conhecimento e experiências, o que exige disponibilidade do profissional em escutar atentamente o adolescente desde sua chegada ao CASE”.

“O compartilhamento promovido por esse tipo de atividade pode alimentar o repertório de práticas na Brasilândia e ampliar os olhares tanto sobre o público atendido quanto em relação ao potencial educador do trabalho socioeducativo”, afirma Danielle Tsuchida, coordenadora do Instituto Sou da Paz.

QUER FAZER PARTE?

APOIE O SOU DA PAZ

A Paz na Prática acontece com você.

#SouDaPaz

Participe das nossas redes sociais