CONTATO

Entre em contato pelo telefone
(11) 3093-7333, de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h; pelo
e-mail atendimento@soudapaz.org, ou envie uma mensagem por meio do formulário a seguir:


Assessoria de Imprensa

Izabelle Mundim
izabelle@soudapaz.org


Desejo receber as newsletters do Instituto Sou da Paz.

MATÉRIAS

Deputado defende mudar estatuto para facilitar compra de arma

Entrevista veiculada no R7 em 02 de maio de 2015.

Marcos Montes (PSD) recebeu R$ 70 mil em doações legais de fabricantes de armamentos

O deputado federal Marcos Montes (PSD), presidente da comissão especial que pretende alterar o estatuto do desarmamento para facilitar a compra e porte de armas, recebeu R$ 70 mil em doações legais da indústria bélica nas eleições de 2010 e 2014.

Ele defende que as pessoas tenham uma arma em casa para “se defender dos bandidos”.

— Há muita burocracia e muitos custos hoje. O pobre não pode ter uma arma porque é caro. Tem que fazer uma adequação do estatuto.

Montes ressalta que as doações recebidas da Taurus e da Companhia Brasileira de Cartuchos (R$ 30 mil na campanha de 2014) e da Associação Nacional de Armas e Munições (R$ 40 mil em 2010) foram legais e não acredita que os pagamentos atrapalhem sua posição como deputado.

— Olha que bobagem, pena que recebi pouco, eu devia ter recebido mais [doações das empresas da indústria bélica]. Sou presidente da frente parlamentar agropecuária. Por ter recebido doações de empresas agro não poderia atuar nessa matéria? É um argumento frágil.

Mais armas, mais crimes

Dados do Ministério da Justiça apontam que 40% das armas apreendidas com o crime organizado tinham origem legal, o que enfraquece os argumentos pró-legalização.

Ivan Marques, diretor Executivo do Instituto Sou da Paz, que lidera campanhas de desarmamento desde os anos 90, classifica como “preocupante e perversa” a possibilidade de armar o cidadão e aponta que “a violência aumenta com a maior circulação das armas”.

— Os deputados dessa frente, incluindo o presidente, foram financiados pela indústria de armas. A quem interessa armar a sociedade? Isso não diminui a criminalidade, muito pelo contrário. O projeto elevaria o limite de compra de munições para 5.400. Quem quer 5.400 munições por ano pretende se defender? Hoje, 25% das mortes com armas são por motivo fútil, como briga de trânsito ou discussão entre vizinhos, todas com armas ilegais. Imagina se não fosse proibido ter arma?

De 2003 a 2013, por causa da aprovação do Estatuto do Desarmamento, as mortes por arma de fogo caíram 12,6%  no Brasil, segundo dados do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

— É um raciocínio perverso. Querem transferir a segurança pública, dever do Estado, para cada cidadão, que não tem preparo técnico nem psicológico. Não é a toa que todas as corporações policiais no Brasil são contra a revogação do Estatuto.

A revogação do Estatuto é defendida por metade dos deputados da comissão, que integram a Frente Nacional da Segurança Pública, a chamada bancada da bala. Na esteira de outras pautas conservadoras, como a redução da maioridade penal e a liberação das terceirizações, os deputados querem votar alterações no Estatuto do Desarmamento (PL 3.722/12) até o fim de 2015.

O projeto também quer reduzir de 25 para 21 anos a idade para compra de armas, a revogação da perda do registro se o portador estiver embriagado, o fim dos testes psicológicos periódicos para renovação e facilita o porte para quem responde por crimes não dolosos, como tráfico.

Entre os membros da comissão especial que pretende liberar a compra de armas estão os deputados Laudívio Carvalho (PMDB/MG), relator da proposta, Cláudio Cajado (DEM/BA) e Guilherme Mussi (PP/SP) como vice-presidentes.

QUER FAZER PARTE?

APOIE O SOU DA PAZ

A Paz na Prática acontece com você.

#SouDaPaz

Participe das nossas redes sociais