CONTATO

Entre em contato pelo telefone
(11) 3093-7333, de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h; pelo
e-mail atendimento@soudapaz.org, ou envie uma mensagem por meio do formulário a seguir:


Assessoria de Imprensa

Izabelle Mundim
izabelle@soudapaz.org


Desejo receber as newsletters do Instituto Sou da Paz.

MATÉRIAS

De onde vêm as armas do crime?

Matéria veiculada na IstoÉ em 20 de fevereiro de 2015.

Pesquisa mostra que 38% do armamento apreendido em roubos e homicídios em São Paulo tem origem legal e mais da metade não pode ser rastreada

O número expressivo de armas apreendidas em roubos e homicídios no País mostra que o governo precisa apertar o cerco em torno desse mercado no Brasil. Uma pesquisa inédita realizada pelo Instituto Sou da Paz em parceria com o Ministério Público do Estado de São Paulo constatou que 38% das armas rastreadas na capital paulista foram vendidas legalmente e depois desviadas. Isso mostra a necessidade de uma fiscalização mais intensa sobre o armamento que está sob controle da polícia e nas mãos dos cidadãos e de empresas de segurança privada. De outro lado, o estudo revelou que é impossível detectar a origem de mais da metade das armas por conta do número do registro apagado. “Descobrir a origem é fundamental para que possamos definir estratégias que antecipem a entrada do armamento em circulação, ajudando a reduzir o número de crimes”, diz Márcio Fernando Elias Rosa, procurador-geral de Justiça do Estado de São Paulo. Segundo ele, essa falta de identificação prejudica o esclarecimento de crimes, o reconhecimento dos traficantes de material bélico e gera impunidade.

 CAI O MITO

“É preciso ter um diagnóstico mais preciso sobre o caminho que as armas percorrem”, acrescenta Bruno Langeani, do Instituto Sou da Paz. O primeiro passo para um rastreamento mais qualificado por parte da polícia, segundo ele, seria a criação de outros mecanismos de marcação de armas. “Alguns países estão colocando chips nelas para ajudar no esclarecimento de crimes e identificar o trajeto que percorrem”, conta. Um mito que a pesquisa derruba é que boa parte do armamento dos criminosos é fabricada no Exterior e entra pela fronteira. O levantamento mostrou que apenas 2% das armas apreendidas em roubos e homicídios têm origem internacional. “Os governantes costumam dizer que elas vêm de países como Paraguai, mas mais de 90% dos revólveres e pistolas analisadas são nacionais.”

QUER FAZER PARTE?

APOIE O SOU DA PAZ

A Paz na Prática acontece com você.

#SouDaPaz

Participe das nossas redes sociais